Notícias Gerais

  • Colesterol alto: problema sério, mas fácil de controlar

    Colesterol alto: problema sério, mas fácil de controlar

    Você conhece os perigos que ele representa? O colesterol alto aumenta o risco de desencadear doenças cardiovasculares, que causam a morte de cerca de 1,7 milhões de pessoas todos os anos no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    O colesterol é um tipo de gordura produzida naturalmente no fígado e está presente em grande parte dos alimentos. Apesar de ser essencial para o funcionamento normal do organismo humano, o excesso do tipo LDL, popularmente conhecido como “colesterol ruim”, forma uma placa de gordura que entope esses vasos sanguíneos. Além dele, há também o tipo HDL, que retira a gordura ruim dos vasos e a leva para o fígado, onde é metabolizado, e por isso é considerado “colesterol bom”.

    Além do AVC e infarto, problemas como disfunção erétil podem ser agravados pelo aumento do colesterol, à medida que ele obstrui as artérias e reduz a passagem do sangue, diminuindo o fluxo sanguíneo que chega ao pênis.

    Alguns fatores associados ao aumento do colesterol ruim são: obesidade, hipertensão, sedentarismo, histórico familiar e uma dieta rica em gorduras saturadas, trans e açúcar que, aliás, também explicam a obesidade. Além disso, homens acima de 45 anos e fumantes têm mais risco de ter a doença.

    Fique atento: o colesterol alto não apresenta sintomas, mas sim apenas as doenças relacionadas a ele, e por isso é importante realizar exames de sangue anualmente para verificar seus índices antes de eles causarem problemas de saúde.

    Quando detectado, ele pode ser controlado com medicações e mudanças de hábitos simples, tais como:

    - Realizar atividades físicas pelo menos três vezes por semana, dando preferência para exercícios aeróbicos (caminhar, correr, pedalar), que fazem uma espécie de “faxina” nos vasos sanguíneos, reduzindo a chance de possíveis obstruções;

    - Evitar alimentos gordurosos como: carne vermelha e gordura amarela anexa, doces, queijos e frituras;

    - Comer mais frutas, verduras e alimentos ricos em fibras e farinhas integrais;

    - Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;

    - Não fumar.