Notícias Gerais

  • FDA aprova tratamento não cirúrgico e não invasivo para o câncer da próstata

    FDA aprova tratamento não cirúrgico e não invasivo para o câncer da próstata
    Há dias comentamos que, da Austrália, emergem algumas das principais notícias relacionadas ao câncer, não é mesmo? Pois esta semana o país protagonizou mais uma entre estas informações relevantes, ao divulgar em evento que reúne autoridades da área de várias partes do mundo, uma notícia aguardada há anos pela comunidade médica. O FDA (o rigoroso órgão dos EUA que regulamenta os produtos relacionados à saúde e medicina de uma forma geral) aprovou o uso, em todo o mundo, para uma forma não invasiva e não cirúrgica de tratamento do câncer da próstata, mais conhecida como HIFU Sonablate. Clique aqui e leia notícia publicada no site oficial, em inglês, informando sobre a aprovação. 

    O HIFU Sonablate ratifica a importância de uma terapia que é rotina nos mais avançados centros do mundo. Atualmente, ela está presente em 49 países. No Brasil, tem a aprovação da Vigilância Sanitária desde 2010 e está na rotina, por uma mesma equipe de profissionais, em centros médicos do Paraná e de São Paulo

    Nos dois estados, foram atendidos 250 pacientes por meio desta tecnologia, com números importantes relatados: 83% dos pacientes se encontram livres de recidiva após 8 anos; 1,9% de casos de incontinência urinária e 74,4% com ereção conservada. Se o tratamento for restrito à área doente (focal), a incontinência foi inexistente e a ereção conservada em 93% dos pacientes.

    A terapia
    A terapia do HIFU Sonablate consiste em uma forma de ultrassom focado de alta intensidade, livre de radiação e incisões, oferecendo ao paciente o equilíbrio entre eliminar o câncer e manter a sua qualidade de vida, com menores riscos de desenvolver a impotência ou a incontinência urinária. Com a aplicação do HIFU não há necessidade de cortes; a ação do ultrassom é totalmente focada no tumor, não afetando outros tecidos do corpo que estejam saudáveis. O paciente pode fazer novas aplicações, se necessário, já que o procedimento não agride o organismo.